História da Família Barreto

Servindo como ponto de partida, e seguindo os mananciais dos rios: Grande, Tietê e Paranapanema, os primeiros bandeirantes penetraram pelos Estados de São Paulo, Paraná, Mato Grosso, e Triângulo Mineiro. Os mineiros na primeira metade do século XIX, desgostosos com a lida na mineração do ouro e das pedras preciosas, abandonaram a batéia e o carumbé, e seguindo as quebradas do Rio Grande, acompanhados da família, de criados e de agregados, desceram pelos vales do Rio Grande e seus afluentes, até o Sertão da Farinha Podre (Uberaba), Arraial Bonito do Capim Mimoso (Franca) e Campos de Batataes.
Os intrépidos exploradores deste sertão até então desconhecido foram dentre outros, os companheiros do célebre Anhanguéra (Bartholomeu Bueno de Siqueira) e alguns outros aventureiros, procedentes do Sul do estado de Minas Gerais, que por muito tempo permaneceram a margem direita do Rio Grande, e do Rio Pardo. Mais tarde, à procura das terras devolutas, vieram os criadores de gado, buscando melhores condições para a criação e desenvolvimento de seus rebanhos. Transpondo as barreiras do Rio Pardo, nas alturas do Bom Sucesso, do Cajuru e do Pontal, os primeiros exploradores mineiros, muitos destes, descendentes daqueles Paulistas que partiram de Taubaté, de Mogi, de São Paulo, de Itu, de Sorocaba, de Jundiaí e de Bragança, vieram em busca de seus parentes, que adentrando por entre os sertões, alcançaram as regiões de Campinas, Rio Claro e Araraquara, consideradas como grandes estações de povoamento do Noroeste Paulista.
Dentre inúmeros nomes, vamos encontrar o do alferes João José de Carvalho, o maior latifundiário da região, que possuía mais de 100.000 alqueires em ambas as margens do Rio Pardo, na “Santo Ignácio” e nas “Palmeiras”; o tenente Francisco Antonio Diniz Junqueira, proprietário da “Invernada” e da “Pitangueiras”, terras entre­cortadas pelo mesmo rio; o tenente José Antônio de Souza e Silva, dono da “Bagagem”, Francisco Dias de Mesquita, Jesuíno Guimarães e Muniz Camacho, senhores da fazenda “Perdizes”; Gabriel Correa de Moraes e Antonio José Botelho, proprietários do “Rio Velho”; Hygino Martins do Amorim e Manoel Gonçalves de Souza, descobridores da famosa “Cachoeira do Marimbondo” e primeiros donos da fazenda do mesmo nome. Finalmente, figurando dentre muitos, destacamos a figura de “Francisco José Barreto”, fundador desta cidade e doador de seu patrimônio.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

História da Família Marques


As diversas famílias que possuem Marques constituindo seu nome, são originárias do tronco Marquez espanhol, que passando descendentes para Portugal,transformou-se em uma das Coroas Ibéricas (Portugal e Espanha); em 1580 passou a ter também representantes portugueses. Recebeu do Imperador do Sacro-Império Romano Germânico (atuais Alemanha, Rep. Tcheca, Aústria, Bélgica e Países Baixos) da Espanha e Portugal, Carlos V, as armas dos Marques por cartadatada 24 de abril de 1545 à Dom Antonio Marques de Oliveira. Segundo pesquisas, cada parte no brasão tem o seu significado específico. No nosso caso, ocastelo com as portas abertas (em preto) significa um feito de defesa de algum castelo no norte de Portugal ou no Norte da África (luta contra os muçulmanos noséculo VIII). As duas chaves cruzadas significam a reiteração e a guarda desse castelo. O castelo também pode significar aliança (casamentos) com a casa real deCastela, na atual Espanha (talvez possuamos sangue nobre). Por fim, no brasão original o fundo é azul, significando que o possuidor do brasão possuia grandevirtude e relevância.
No brasão da Família Marques diz o seguinte: "descendentes da fidalguia espanhola de onde vieram com o sobrenome de "Marquez", o ramo português teveinício pelo ilustre e fidalgo senhor Dom Antonio Marques de Oliveira, Alcaide Mor de Coimbra, 1º Conde de Vilhadolide, Cônsul Geral em Antuérpia. Seusdecendentes diretos ocuparam importantes cargos junto à Realeza. O Brasão de Armas foi concedido em 1.582."

3 comentários:

Matheus Marques disse...

seu blog fala sobre algo que interessa a muita gente, mas ele é muito vago só tem uma postagem e não tem opções para que as pessoas possam permanecer nele por muito tempo fica ae a dica

Matheus marques
www.topparauapebas.blogspot.com

A Minha Horta-RM disse...

com interesse fui pesquizar de onde surgiu o apelido MARQUESuma vez que meu avô, meu pai e eu temos esse apelido, mas gostaria de saber muito mais, se podesse postar ou se souber onde posso procurar eu agradecia.

Diogo Schulz disse...

Falta conteúdo, no post você faz apenas uma breve citação, mas para quem quer apenas saber algo está de bom tamanho...